O QUE É A OSTEOPOROSE

Osteoporose é uma doença que se caracteriza pela diminuição na massa óssea e deterioração da microarquitetura óssea, levando a um aumento da fragilidade do osso e,consequentemente, a um maior risco de fraturas. É o distúrbio osteometabólico mais comum e se constitui em um importante problema de saúde pública, afetando grande número de pessoas, de ambos os gêneros e de todas as raças, e sua prevalência aumenta com o envelhecimento da população.

Os principais tipos de Osteoporose são:

  • Osteoporose pós-menopausa: atinge mulheres após a menopausa.
  • Osteoporose senil: atinge pessoas com mais de 70 anos.
  • Osteoporose secundária: atinge pessoas com doença renal hepática, endócrina, hematológica, reumatológica ou que usam alguns medicamentos, por exemplo, corticóides.
011Osteoporose
QUAIS OS FATORES DE RISCO PARA OSTEOPOROSE?
  1. Menopausa: com a interrupção da menstruação, ocorre diminuição dos níveis de estrógeno (hormônio feminino), que é fundamental para manter a massa óssea.
  2. Envelhecimento: a perda de massa óssea aumenta com a idade.
  3. Hereditariedade: a Osteoporose é mais frequente em pessoas com antecedentes familiares da doença.
  4. Dieta pobre em cálcio: o cálcio é fundamental na formação óssea.
  5. Excesso de fumo e álcool: tem-se observado maior incidência de Osteoporose entre as pessoas que consomem álcool e cigarro.
  6. Imobilização prolongada: o exercício físico constitui um importante estímulo para a formação e o fortalecimento dos ossos.
  7. Medicamentos: alguns medicamentos, como os corticóides, em tratamentos de longa duração, favorecem a redução da massa óssea.
PODE-SE SUSPEITAR OU PREVER A OSTEOPOROSE?
  1. Deve-se suspeitar de osteoporose nos seguintes casos:
  2. Pessoas com mais de 60 anos
  3. Mulheres pós-menopausa
  4. Pessoas com antecedentes familiares
  5. Pessoas com dieta pobre em cálcio
  6.  Fumantes e consumidores de álcool
  7. Sedentárias
  8. Pessoas que fazem uso prolongado de corticoides
QUAIS OS SINTOMAS DA OSTEOPOROSE?

A Osteoporose pode não provocar sintomas. A dor pode acontecer em consequência de fratura, que pode ocorrer espontaneamente, principalmente em coluna, quadril e punho. O osso fica tão fraco que pode haver achatamento da vértebra. Pode ocorrer encurvamento da coluna (“corcunda”) e diminuição da altura.

ost

COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO DA OSTEOPOROSE?

O exame mais adequado para o diagnóstico da Osteoporose é a densitometria óssea, que permite avaliar o estágio da doença e serve como método de acompanhamento do tratamento. É um exame indolor que mede a massa óssea na coluna e no fêmur.

O valor < -2,5 DP no seu exame de densitometria faz o diagnóstico de Osteoporose. Se você tiver tido uma fratura por qualquer queda, também tem o diagnóstico de osteoporose.

Os critérios de normatização diagnóstica sugeridos pela OMS em 1994 (Kanis et cols) constituiram um marco no emprego clínico da densitometria. Classificam-se 4 grupos distintos segundo o número de desvios padrão (T-Score), para Coluna Lombar em AP (ou PA), Fêmur Proximal (Colo, Total ou Trocânter) e Rádio Distal, segmento 33% (ou 1/3).

  • Até –1 SD, entende- se o resultado densitométrico como Normal;
  • Abaixo de –1 SD até –2,5 SD, classifica-se como Osteopenia;
  • Abaixo de – 2,5 SD, o termo Osteoporose é aplicável;
  • Abaixo de – 2,5 SD, associado à fratura óssea, atribui-se o termo Osteoporose Estabelecida.

ost1

ost2

QUAIS AS INDICAÇÕES PARA A AVALIAÇÃO DA MASSA ÓSSEA?

As indicações para a avaliação da massa óssea por densitometria são:

  • Mulheres com idade ≥ 65 anos e homens com idade ≥ 70 anos
  • Mulheres com > 40 anos, no início da menopausa e homens com idade > 50 anos, com fatores de risco
  • Adultos com antecedente de fratura por fragilidade (fratura com trauma mínimo)
  • Adultos com condição clínica ou uso de medicamentos associados a baixa massa óssea ou perda óssea
  • Indivíduos que estão recebendo tratamento para osteoporose
  • Indivíduos que não estejam recebendo tratamento para osteoporose, porém nos quais a identificação da perda de massa óssea possa determinar a indicação do tratamento
  • Mulheres que estejam interrompendo a terapia hormonal da menopausa (TH)
POSSO PREVENIR A OSTEOPOROSE?

A prevenção engloba uma série de medidas:

  • Exercícios suaves: desde caminhadas até a realização de um programa de exercícios estabelecido pelo médico ou pelo fisioterapeuta (alongamento, exercícios para melhorar o equilíbrio e para fortalecimento dos músculos).
  • Nutrição adequada: dieta rica em cálcio. (leite e derivados).
  • Parar de fumar
  • Evitar excesso de álcool
  • Não se deve abusar do café e da dieta com muito sal.

ost3

TRATAMENTO DA OSTEOPOROSE

O tratamento da osteoporose é essencial como medida de prevenção de fraturas e inclui:

  • Suplementação com cálcio – a ingestão adequada de cálcio é essencial para o desenvolvimento e manutenção do esqueleto.
  • Prática regular de atividades físicas
  • Tratamento medicamentoso (deve ser indicado e prescrito pelo médico):
  • Várias medicações podem ser usadas:
  • Vitamina D
  • Bisfosfonatos: Alendronato, Risedronato, Ibandronato, ácido Zoledrônico
  • Estrogênios
  • Moduladores seletivos dos receptores de estrogênio (SERM)
  • Tibolona
  • Calcitonina
  • Denosumabe
  • Teriparatida – Paratormônio (PTH 1-34)
  • Ranelato de estrôncio

Monitoramento

A SBDens recomenda que o exame densitométrico da coluna lombar e do fêmur proximal podem ser repetidos anualmente, (a critério clínico) com recomendação que seja efetuada no mesmo aparelho do exame do início do tratamento e em serviço que mantenha um controle de qualidade técnica, sendo recomendadas a habilitação profissional e o selo de qualidade da Sociedade Brasileira de Densitometria Clínica (ProQuaD).

Em princípio, exames de densitometria não devem ser repetidos em intervalos inferiores a 12 meses, salvo em casos de pacientes em tratamento com corticóides por mais de 3 meses ou outras condições que levem à perdas rápidas de densidade óssea ou, ainda, como avaliação de referência para permitir monitoramento quando o exame inicial foi realizado em técnica inadequada para esta finalidade.